Notícias 21/02/2017 - 15:14 - Juliana Matos/Governo do Tocantins

Organização Pan-Americana transfere metodologia de modernização para Saúde

O termo visa a modernização e o aperfeiçoamento da capacidade técnica e operacional da Saúde O termo visa a modernização e o aperfeiçoamento da capacidade técnica e operacional da Saúde - Valdo França/Governo do Tocantins
Secretário assina termo que vai fortalecer as ações de saúde públicas Secretário assina termo que vai fortalecer as ações de saúde públicas - Valdo França/Governo do Tocantins
Opas e Governo do Estado homologaram Termo de Cooperação Opas e Governo do Estado homologaram Termo de Cooperação - Valdo França/Governo do Tocantins
Opas já realiza reuniões com o corpo técnico da Secretaria de Saúde Opas já realiza reuniões com o corpo técnico da Secretaria de Saúde - Juliana Matos/Governo do Tocantins

Durante a programação do Acolhe SUS 2017, que segue nesta terça-feira, 21, no Palácio Araguaia, e reúne gestores dos 139 municípios do Tocantins, o secretário de Estado da Saúde, Marcos Musafir, e o consultor internacional da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Joaquim Molina, assinaram a homologação de Termo de Cooperação entre o Estado do Tocantins e a Opas.  O termo visa à modernização e o aperfeiçoamento da capacidade técnica e operacional da Saúde do Estado com reflexos propostos em todos os 139 tocantinenses.

O secretário Musafir, disse que a cooperação técnica vai fortalecer as ações de saúde pública e explicou que consultores da Opas já estiveram em Palmas neste mês de fevereiro para debater com técnicos da secretaria estratégias de análise dos serviços de saúde. “Já estão ocorrendo encontros que fazem parte de uma agenda de colaboração entre o Governo do Estado e a organização internacional, que é braço da Organização Mundial de Saúde (OMS), para cumprimento do Termo de Cooperação que visa o aperfeiçoamento da capacidade técnica e operacional da Saúde”, disse.

O representante da Opas ressaltou que "esta é uma iniciativa que nos permite conhecer o trabalho cotidiano de saúde e propor uma parceria estratégica. É um termo de cooperação jovem, mas já é uma ótima oportunidade de trabalho para a Opas/OMS, que vai se prolongar isso para todos os municípios do Tocantins", ressaltou Molina.

Plano de trabalho

Um plano de trabalho desenvolvido por técnicos da Saúde, sob supervisão dos consultores da Opas, é discutido periodicamente e prevê, além da construção de análise de situação de Saúde, a estruturação de Diagnóstico de Rede, de Diretrizes Clínicas, de Reorganização da Rede e de Desenvolvimento de Capacidades Institucionais. 

Nas reuniões realizadas com o corpo técnico da Secretaria de Saúde, os consultores foram informados sobre o andamento de projeto interno de integração de base de dados de diferentes sistemas de informação da Saúde que embasarão as análises propostas pela consultoria. Na ocasião, os consultores propuseram a oferta de cursos de Gestão Clínica e de Gestão Produtiva de Serviços de Saúde, que serão ministrados pela Opas.

“A Opas tem uma metodologia de gestão produtiva para serviços de saúde onde fazemos avaliação de condições essenciais nos serviços e um plano de melhoria. A proposta [do termo] é a transferência de tecnologia para a equipe de gestão, para que ela possa, na sequência, desenvolver novas avaliações e novos planos de melhoria, seguir fazendo o monitoramento dos custos e identificando como fazer melhor os investimentos”, completou o consultor nacional de Sistema de Serviço de Saúde, Alexandre Florêncio.

“Todo esse processo de discussão tem sido feito no formato de oficinas periódicas no sentido de construir um olhar diferenciado. Queremos fazer com que a equipe reflita seus processos de trabalho e faça um rearranjo em cima dos eixos que estão sendo trabalhados na Opas”, esclareceu a superintendente de Vigilância, Prevenção e Promoção à Saúde do Estado, Liliana Fava. Ainda segundo a superintendente, a Saúde está providenciando a assinatura de três cartas-acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para construção de outra parceria ainda neste semestre com vistas a trabalhar os seguintes eixos: rede de atenção, apoio institucional e determinantes sociais.

Outras parcerias já estão com trabalhos sendo iniciados e serão conduzidos, segundo Liliana Fava, com o apoio de instituições públicas e privadas de ensino superior do Tocantins, entre elas a Universidade Federal do Tocantins (UFT), Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) e Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (Itpac).

Modernização da gestão

O termo de cooperação técnica tem duração de cinco anos e está na sua primeira etapa, que deve durar até dois anos. “O trabalho inicial é de levantamento de informações, diagnóstico, identificação dos principais problemas e a partir daí mobilizar nossa equipe técnica de consultores que está no Brasil ou que está em outros países para dar suporte ao Estado e trabalhar juntos aqui”, acrescentou Florêncio.

O consultor nacional também parabenizou a gestão pelo desejo de qualificar o trabalho com os municípios.  “Temos que parabenizar a gestão estadual do Tocantins. A Secretaria Estadual colocou como meta fazer aprimoramentos internos da sua equipe de gestão e dos seus processos, e qualificar de uma forma bastante fortalecida todo o trabalho com os municípios. Isso muda, inclusive, a relação com o Ministério da Saúde e com a sociedade civil organizada, com o Tribunal de Contas e o Ministério Público, porque são estes outros entes institucionais que acompanham a execução na agenda da saúde. Com isso, se fortalece a capacidade da Secretaria e ela passa a responder melhor. Eu diria que é um desafio importante, mas a Secretaria está de parabéns porque reconhece o desafio e se coloca à disposição para superá-lo”, finalizou Alexandre Florêncio.

Transferência de tecnologia

O consultor internacional da Opas, Edgar Gallo, ressaltou que a intenção da consultoria é a transferência de conhecimento para os gestores de saúde locais. “Desenvolvemos capacidade de gestão seja em municípios, em estados, seja em países. Todas as equipes de gestão têm processos evolutivos diferentes, nós identificamos necessidades e iniciamos um processo de transferência de conhecimento e desenvolvimento de capacidades. A partir disso, desenvolvemos estratégias específicas de acordo com essas necessidades, tanto dos gestores como dos serviços de saúde”, completou Gallo. Ainda de acordo com o consultor internacional, a metodologia de transferência de tecnologia da Opas tem 40 anos e tem sido desenvolvida em mais de 14 países, por exemplo, Colômbia, Panamá, Equador, Peru, República Dominicana, El Salvador, Honduras em diferentes níveis de acordo com a necessidade de cada país.